Santa Gemma Galgani

Gemma nasceu em Borgo Nuovo di Camigliano, perto de Toscana, Itália em 1878 e era um filha de um pobre farmacêutico. Sua mãe morreu quando tinha sete anos e desde então passou a ter muito trabalho doméstico e muitos problemas espirituais. Mas ela os suportou com paz e extraordinária paciência. Foi sujeita a fenômenos sobrenaturais como visões, êxtases, revelações ,conhecimentos sobrenaturais e estigmas periódicos .
Quando tinha 18 anos seu pai morreu e ela entrou para a casa de Mateo Giannini como serviçal domestica. Ela desejava entrar para o convento das Passionatas em Lucca na qual o seu conselheiro espiritual era o diretor, mas ele não podia aceita-la pela sua fragilidade física e saúde precária que incluía uma tuberculose na espinha. Mais tarde Gemma curou-se da tuberculose pela intercessão de São Gabriel de Possenti. Ela tinha uma notável disposição religiosa. Entre 1899 e 1901 ela foi sujeita a vários fenômenos supernaturais os quais foram cuidadosamente estudados pelo seu confessor Padre Germano. Por 18 meses ela sofreu os estigmas da Crucificação de Cristo e a marcas dos espinhos e dos açoites em Jesus, quando ela orava.

Experimentou visões de Cristo e da Virgem Maria e do seu anjo da guarda.

Quando ela falava em êxtase, o som da sua voz mudava e ouvintes anotavam os seus dizeres as vezes em linguagem usada na época de Cristo, da qual não poderia ter conhecimento, visto que apenas poucos luminares em Roma foram capazes de decifrar suas visões e revelações. Toda sua vida ela pacientemente suportou os sofrimentos físicos e espirituais que incluíam o desprezo e a zombaria daqueles que não acreditavam, que as vezes incluía até mesmo parentes e pessoas da cidade.


Já com 20 anos, Gemma não aceita uma proposta de casamento, por ser «toda de Jesus». Durante este ano fica curada milagrosamente de problemas na espinha e iniciam as experiências místicas. A chamam, na cidade, «a moçinha da graça».

Fala com o seu Anjo da Guarda e lhe da também encargos delicados, como aquele de entregar em Roma a correspondência ao seu diretor espiritual. «A carta, apenas terminada, a dou ao Anjo, ela escreve. Está aqui perto de mim que espera». E as cartas, misteriosamente, chegavam a destinação sem passar através do Correio do Reino.

Em junho de 1899, Cristo lhe dá o dom das estigmas. No mesmo ano, durante a missão em S. Martino, Gemma conhece os padres Passionistas que a introduzem na casa Giannini. Acolhida como uma filha nesta casa devota e rica, conduz uma vida retirada entre casa e Igreja. Mas as manifestações da sua santidade superam os muros da casa patrícia. Faz conversões, prediz acontecimentos futuros, cai em êxtase. Na oração, sua sangue; no seu corpo, além dos sinais dos pregos, aparecem as chagas da flagelação. Aqui conhece Padre Germano que dirigerà as suas confidências.

Logo se vem a saber que as suas luvas pretas e a sua veste escura e estreita escondem os sigilos da Paixão. Estas estigmas se abrem, dolorosas e sanguinantes, toda semana, na véspera das sextas-feira.

Diante dela os cientistas não conseguem esconder o embaraço. Até alguns diretores espirituais não sabem como justificar a extraordinária moça: suspeitam de mistificação, falam de histerismo ou de sugestão, pedem provas, exigem obediência.

Somente ela, Gemma Galgani, no meio das dores físicas e às provas morais, não diz nada, ou melhor, diz sempre sim. Não pede nada, ou melhor, pede a Jesus para si, mais dores e para os outros pede a conversão e a salvação.

No ano 1901, com 23 anos, Gemma escreve por ordem de Padre Germano, a Autobiografia, "O quaderno dos meus pecados". No ano seguinte se oferece vítima ao Senhor para a salvação dos pecadores. Jesus a pede de fundar um mosteiro de clausura Passionista em Lucca. Gemma responde com entusiasmo. No mes de setembro do mesmo ano se adoeçe gravemente. A sua vida é marcada profundamente da dor.

Começa o período mais escuro da sua vida. As consequências do pecado caem pesantemente sobre o seu corpo e sua alma. No ano 1903, era um Sabado Santo, Gemma Galgani morre aos 25 anos, devorada do mal, mas pedindo até o último momento ainda mais dor.
 

O Somo Pontéfice Pio X assina no ano 1903, o Decreto de fundação do Mosteiro Passionista em Lucca.
Em 1905 as irmãs de clausura Passionistas iniciam a sua presença em Luca, realizzando o antigo desejo que Jesus tinha feito a Gemma.

Padre Germano, diretor espiritual de Gemma, escreve em 1907 a primeira biografia. Iniciam os processo canonicos para o reconhecimento da sua santidade.

No ano 1933 Pio XI inclui Gemma Galgani entre os Beatos da Igreja.

Serà Pio XII, no ano 1940 a elevar Gemma Galgani à gloria dos Santos e indicá-la modelo da Igreja universal pelas das virtudes cristãs.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!